quinta-feira, 4 de abril de 2013

Quatro de Abril de Dois mil e Treze

É, faz tempo, eu sei. E volta e meia recebo e-mails avisando sobre comentários misteriosos nessa postagem que me fazem lembrar que esse blog ainda existe. Mas é que, veja bem, minha vida deu duas cambalhotas desde o ano passado, e tudo mudou completamente.
Aliás, foram duas e meia, observe:
Primeiro que fui chamada pra trabalhar na Univali. Tive que mudar de cidade e levar a documentação e etc na empresa em menos de uma semana. Mas me joguei! Aluguei um quartinho na casa de uma conhecisa e vim trabalhar num laboratório de pesquisa numa área totalmente diferente da qual sou formada. Mas tudo é aprendizado nessa vida. Acontece que o trabalho era temporário, e pra não ter que voltar pra casa dos meus pais, ainda precisava arrumar um trabalho pra depois.
Sendo assim, tratei de fazer contatos por aqui, e quando uma menina de outro laboratório resolveu sair, perguntou se eu queria que ela me indicasse.
Então, a primeira mudança e meia é que mudei de laboratório. E esse é totalmente diferente do primeiro, ou seja, ainda to aprendendo coisas novas.
Beleza, tudo certinho, saí de férias no final do ano (vantagem de se trabalhar em uma instituição de ensino) e fui pra casa dos meus pais. 40 dias de vida mansa em Jaraguá.
Aí o que acontece? A terceira e mais radical de todas as mudanças: eu me apaixonei.
Pois é, quem diria, logo eu, etc etc etc... Cansei de ouvir essas coisas dos meus amigos, e na verdade eu também me surpreendi.
Eu andava sentindo falta disso, de estar apaixonada e tudo, mas bah! como é difícil e cansativo estar em um relacionamento e eu andava repelindo qualquer possibilidade de ter um até que... não deu pra resistir!
Cansei de resistir, também. Confesso, queria isso.
Eu já o conhecia, sabia que era (é!) gato, bacana e todas essas coisas boas e etc, já até tinha dado uns beijinhos. Quando encontrei com ele de novo, deu nisso!
E aí toda a vida muda!
Mais horas em ônibus pra ir encontrá-lo, mais tempo perdido só pensando nele, mais créditos gastos com mensagens... mais sonhos bons.
E mais amigos também! Conheci muita gente através dele, e amo essas novas pessoas que entraram na minha vida de paraquedas, de carona com ele.
Não reclamo, a vida tá ótima assim, mesmo em cidades diferentes. Saudade até que é bom! E ter em quem pensar e saber que alguém pensa em mim é ótimo! Ter aquele vazio do peito preenchido era tudo o que eu queria.